Acessibilidade
Portal da transparencia

Sem impacto da Covid, exportações do AM cresceram 5,13% em março

A Balança Comercial do Amazonas foi pouco afetada, no mês de março, pelos primeiros casos de Covid 19. As exportações alcançaram a cifra de US$ 67,13 milhões em março de 2020. Isso representa um crescimento de 10,91% quando comparado com março de 2019 e 5,13% em relação a fevereiro de 2020, de acordo com levantamento da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti). O estudo completo está disponível em www.sedecti.am.gov.br item Mapas e Indicadores.

Em março, os principais destinos foram Venezuela e Colômbia, equivalentes a 43,23% das exportações. O principal produto exportado para a Venezuela foi Óleo de soja (US$ 5.729.886,00), o equivalente a 25,51% das exportações para aquele país. Para a Colômbia, o principal produto exportado foi Outras preparações para bebidas (US$ 5.463.189,00), o que representou 83,26% das exportações para este país.

As importações do Amazonas em março registraram a marca de US$ 877,50 milhões, o equivalente a 6,04% de participação nas importações do Brasil. Em relação a março de 2019 ocorreu aumento de 0,19%, e na comparação a fevereiro de 2019, crescimento de 9,02%. A China se mantém como principal origem das importações do Amazonas, com o valor de US$ 326,03 milhões o que representa a participação de 37,15% das importações. Os Estados Unidos vem em seguida, com o valor de US$ 101,16 milhões, o equivalente a 11,52% do total. O principal produto importado da China foi Outras partes para aparelhos de radiodifusão e gravação (30,93% dos produtos importados desse país), enquanto dos Estados Unidos se destaca Outros óleos de petróleo (Principalmente óleo diesel), equivalente a 29,16% das transações oriunda desse país.

RECUPERAÇÃO

Para o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico Jório Veiga, os resultados da Balança Comercial em março, reflete ainda um cenário em que a disseminação da Covid-19 não tinha alcançado os níveis atuais. “Certamente haverá redução das vendas, retração de investimentos, mas a recuperação, ainda que lenta, acontecerá. E o Governo estará, como sempre, pronto para apoiar as empresas e assim resgatar emprego e renda para a população”, disse o secretário.

O saldo negativo em março aumentou 9,35% na comparação com fevereiro de 2020 e diminuição 0,61% em relação a março de 2019. Isso foi motivado pelo crescimento das importações ter sido superior a expansão das exportações, o que indica a hipótese de manutenção no consumo interno de produtos originários do Polo Industrial de Manaus.

CORRENTE DE COMÉRCIO

Em março, a participação do Amazonas na Corrente de Comércio do Brasil alcançou 2,80%. A Corrente de Comércio do Estado do Amazonas (soma das importações com as exportações) totalizou US$ 944,63 milhões. A corrente cresceu 8,73% na comparação com fevereiro de 2020 e 0,88% em relação a março de 2018.

MUNICÍPIOS DO INTERIOR

Quanto aos municípios do interior, em março de 2020, Presidente Figueiredo foi o maior exportador (US$ 4,44 milhões), e o principal destino foi a China, sendo Ferro-ligas o principal produto. O segundo município que mais exportou foi Itacoatiara (US$ 945,30 mil), e como principal destino os Países Baixos, sendo Madeira serrada o principal produto exportado.

Nas importações, Silves se destacou como maior importador (US$ 11,82 milhões), e a Argentina como maior parceiro comercial e Aquecedores como principal item importado. Borba, ficou em segundo lugar, com o valor de suas importações em US$ 3,64 milhões, tendo a Finlândia como principal local de origem de suas importações, sendo Grupos Electrogêneos como produto adquirido.